segunda-feira, janeiro 19, 2009


Para guardar Narciso

Foto de KAZUO OKUBO

Há de ficar
ante a memória da tua face
a sensação viva da tua pele.
O desejo dos teus lábios
e o sabor da tua boca
como uma fruta madura da infância
colhida descalça em tardes quentes .

Há de ficar
intocado teu sorriso
a salvo das angústias
dores e medos que vi nascer .
Entre meus dedos a textura
dos cabelos que acompanhei
o tempo pintar e a vida encolher.

Há de ficar
A forma cinzelada do teu sexo
e o paladar delicado do mel
que ofertavas sôfrego
e eu sorvia com devoção.

Há de findar
somente essa saudade insana
e a peleja inútil contra os fatos
primevos
pétreos
imutáveis .

6 comentários:

Simone Sólis disse...

A produção anda meio escassa... mas cada vez mais primorosa. Simplesmente adorei! ;-)
Bjos.

Sueli disse...

Que dilícia chegar aqui e encontrar novidade! E, como sempre, novidade das boas. (Mas, se tudo isso de bom ficar, será possível não sentir saudade?)
Amei! Beijo grande!

celia musilli disse...

Certos momentos bastam...eles já têm o dom da eternidade! Um beijo grande!!!

marcos pardim disse...

decerto de que "para se guardar narciso", seja ele ou ela quem for, tantas coisas hão de ficar... com a condição fatal de que outras hão mesmo de findar... belo, muito belo este teu poema. 1 bj

vagnertiago.zip.net/ disse...

Lindo poema parabéns...gostei muito...

marcos pardim disse...

ei, dona sumida... já não guardaste narciso suficientemente para desenlaçar-se deste abraço da foto e comparecer por aqui? 1 bj